quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

O alto preço da vaidade para a saúde

São Paulo, 04 (AE) - Alguns anos de vida por uma cinturinha, apatia sem fim em troca de uma silhueta enxuta. Prioridades femininas como essas resumem uma visão de mundo que tem assustado a classe médica: é como se a vida só valesse à pena se vivida por um corpo magro. "Há um medo mórbido de engordar a ponto de a mulher preferir a doença ao risco de ganhar peso", diz Marco Antonio De Tommaso, psicólogo pela USP, terapeuta e consultor das agências de modelo Elite e L'Equipe.
 
Beleza à custa de saúde é uma das constatações apontadas pelo estudo Depresíon en Latinoamérica (DELA), conduzido pelo Ibope e divulgado na semana passada durante o XXV Congresso da Associação Latino-Americana de Psiquiatria, na Venezuela. Entre as 1.100 latinas entrevistadas, todas com idades entre 35 e 55 anos, as brasileiras são as que mais abandonam o tratamento contra depressão em função do ganho de peso: o índice chega a 30%, seguido por 18% na Colômbia.
 
"Algumas mulheres se recusam a tomar o remédio indicado pelo médico, mas ingerem qualquer coisa para emagrecer recomendada pela amiga. A fluoxetina, por exemplo, é originalmente um antidepressivo, mas há paciente que só passa a consumi-la quando é receitada pelo endocrinologista como um coadjuvante no regime porque inibe o apetite", critica Tommaso.
 
Diagnosticada com depressão e síndrome do pânico há um ano, a bancária Daniella Matos, 42, ilustra com exatidão o dilema vivido por aquelas que se dividem entre o equilíbrio mental e o bem-estar físico. "Engordei 18 kg na medida em que me descobria depressiva e entrava com os medicamentos. Tenho pavor de gordura e cheguei a interromper o tratamento quatro vezes, mas após ficar uma semana sem remédios o mal-estar era tão insuportável que eu voltava", relata.
 
Daniela reconhece que os antidepressivos não só os únicos responsáveis pelo vaivém de quilos. "A gente deixa de se movimentar porque não tem forças. A comida se torna uma tábua de salvação que, no fim, se mostra sem salvação."
 
Não é apenas o ganho real de peso que atemoriza as mulheres à beira de uma depressão. Quase metade das brasileiras analisadas pelo DELA (45%) admite que a mera possibilidade de engordar por meio de antidepressivos é capaz de desencorajar uma adesão ao tratamento.
 
O levantamento consultou também venezuelanas, colombianas, mexicanas e chilenas. No Brasil foram ouvidas 300 mulheres, em três capitais (São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre). Para 97% delas a mudança no apetite é, de fato, o principal efeito da depressão.
Mestre em psiquiatria e vice-presidente do Departamento de Psicoterapia da Associação Brasileira de Psiquiatria, Fátima Vasconcellos analisa a relação entre depressão e comida. "O diagnóstico da depressão passa pela verificação do aumento ou queda de fome, a doença tem ligação com os transtornos alimentares", explica. "Antidepressivos podem engordar, sim, mas não tratar a depressão pode fazer engordar muito mais."
Para Fátima, "subestimar uma doença só para manter a forma já é sinal de que algo não vai bem". Ela lembra que algumas mulheres usam esse mesmo argumento para não tratar o tabagismo. "Outras deixam de aplicar insulina na dose certa também para não engordar. Isso mostra que cada um pode ser seu pior inimigo."
 
Doutor em psiquiatria pela USP e coordenador do Programa de Atenção à Saúde Mental da Mulher, Joel Rennó Jr. recomenda cautela ao analisar antidepressivos. "Efeitos dependem do tempo de uso e da dosagem. Há diferenças entre as classes de antidepressivos e até mesmo entre remédios da mesma classe. A prevalência de obesidade é de 2 a 5 vezes maior entre pacientes com distúrbios psiquiátricos tratados com fármacos em comparação à população geral, mas esse efeito não depende só do remédio. Reações particulares de cada metabolismo também contam."
 
Rennó, que acaba de lançar o livro "Mentes Femininas", diz que o ganho de peso, quando desencadeado pela medicação, corresponde em média a 5% do peso corporal da mulher. "É algo em torno de 3 kg quando se tem 60 kg, ou seja, não serão esses quilos que levarão à obesidade. As mulheres, em todas as idades, têm grande preocupação com a imagem. Isso reflete pressões conjugais, sociais ou até no próprio trabalho", acredita.
 
Por Giuliana Reginatto
 


Veja quais são os assuntos do momento no Yahoo! + Buscados: Top 10 - Celebridades - Música - Esportes

Nenhum comentário: